como levar os remédios no avião

Você sabe como levar remédios em viagens de avião? Não se preocupe, é mais fácil e simples do que você imagina.

Se tem uma coisa que não pode faltar em nossa bagagem é a nossa “farmacinha”. Afinal, nunca se sabe quando pegará uma gripe forte, terá aquela enxaqueca ou comerá algo estragado. Além disso, às vezes o corpo exige uso de alguma medicação contínua, como em casos de pressão alta, diabetes e dores na coluna. Nestes casos, ter medicamentos na bagagem é não apenas prevenção, mas uma necessidade.

Muita gente tem os remédios de que faz mais uso ou necessita em determinadas situações, mas nem sempre sabemos se vamos encontrá-los em outros países.

Vem com a gente para as dicas:

leve os remédios na bagagem de mão

Não só pode como deve levar remédios para eventuais desconfortos durante o voo. Esse cuidado é especialmente importante para quem faz uso de remédios contínuos e não pode ficar sem eles durante a viagem. Se você os coloca na mala despachada e ela for extraviada pela companhia aérea, você pode ficar sem eles por um período de tempo ou mesmo pelo resto da estadia fora do país.

As regras para líquidos continuam: no máximo 1 litro em embalagens de no máximo 100 ml. Os remédios devem estar dentro da embalagem original e também de um saco plástico, transparente e lacrado. Se por acaso precisar levar uma quantidade maior ou caso algum remédio só seja vendido sob prescrição médica, você vai precisar de uma receita.

Para não ter problemas com diferentes normas sanitárias, é recomendável que você leve a prescrição médica registrada no seu nome e traduzida para o inglês. Carregar a nota fiscal do medicamento também pode ser de grande ajuda.

by: nappy

preste atenção nas quantidades

O que vai determinar isso é o tempo que sua viagem irá durar. Uma dica importante é levar sempre com você uma quantidade extra de remédios (você pode calcular para uma semana a mais, por exemplo). Isso é para o caso da sua volta ser adiada, extravio de bagagem ou qualquer outro imprevisto.

pesquise sobre remédios que não precisam de receita

Principalmente para viagens internacionais. A prescrição médica brasileira não tem nenhuma validade no exterior. É o caso, por exemplo, da Dipirona Sódica, que nos Estados Unidos e em outros países é proibido. Então, verifique quais remédios são liberados por aqui e quais são controlados em outros países.

Se você precisar comprar algum remédio controlado, terá que passar por uma consulta no país que está visitando, que pode não ter cobertura pelos seguros de viagem.

Nossa recomendação é carregar medicamentos para problemas mais comuns, como antialérgicos, antitérmicos, antiácidos, analgésicos, algo pra dor de cabeça, gases ou ressaca. E os de uso contínuo, com estoque pra imprevistos para não correr o risco de ficar sem ao longo da viagem.

Também é importante conversar com o médico e ver quais remédios são essenciais já que automedicação é algo perigoso. O seu uso incorreto ou irracional pode causar reações alérgicas, dependência, intoxicação ou resistência aos remédios. E ninguém quer nada disto, né?

tire todas as suas dúvidas com a companhia aérea

É interessante buscar junto à companhia aérea informações e cuidados adicionais antes do voo. Caso você precise transportar medicamentos que exigem refrigeração ou pedem a adoção de algum acessório, o ideal é entrar em contato com a companhia aérea em questão para tirar todas as suas dúvidas sobre o assunto.

Cilindros de oxigênio são, por via de regra, proibidos dentro da cabine dos aviões. Quem necessita de um por motivos de saúde deve contatar a companhia aérea e solicitar assistência especial com pelo menos 72 horas de antecedência, apresentando a justificativa médica para o uso do cilindro.

Viu só? Levar os remédios na viagem não é nenhum bicho de sete cabeças e é essencial para manter a nossa saúde em dia e evitar que o nosso passeio seja estragado.

Ficou com alguma dúvida? Fale com a gente!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Compartilhe este post

Mais Posts